9.4.17

































SEMANA SANTA - É tempo de fé católica. Tempo de celebrar a Paixão de Cristo. Em Nova Jerusalém, Pernambuco, acontece essa semana a encenação da Paixão de Cristo, no maior teatro ao ar livre do mundo. Esse ano, quando a encenação completa 50 anos, o papel de Jesus Cristo coube ao ator Romulo Neto, filho do saudoso ator e campeão de natação Rõmulo Arantes, que morreu num acidente aéreo. O que se vê na edição de 2017 é um Jesus Cristo tatuado, que é ao mesmo tempo doce e intenso. Uma interpretação que vem causando elogios do público e boas resenhas da crítica. 







25.3.17



ELTON JOHN - 70 ANOS - Um dos maiores artistas do rock e da música pop, Elton John completa 70 anos nesse 25 de março de 2017. Seu primeiro álbum "Empty Sky" foi lançado em 1969 e tinha entre suas faixas "Skyline Pigeon", uma de suas mais belas composições. A partir daí ele conquistou o mundo com lindas canções, discos bem produzidos e concertos inesquecíveis.


19.3.17

                                       Ney Latorraca e XandeValois, no musical VAMP (Foto: Rodrigo Mesquita)







CALADA NOITE PRETA - Ao final da sessão de estreia do musical VAMP, o musical, um espectador cumprimentou o diretor Jorge Fernando pelo espetáculo e ele respondeu: "Daqui a um ano a peça vai estar perfeita". Exigente, o diretor que teve um AVC durante a montagem, certamente conseguiu perceber as falhas do espetáculo. Por exemplo: quem não assistiu a novela vai ter dificuldade em entender a história da peça. Falta clareza ao roteiro, no sentido de contar uma história com início, meio e fim. Não fica claro também a presença de alguns personagens dentro da história, como Mary Matoso, Miss Penn Taylor, Matosão e Matosinho. Outra coisa: algumas soluções cênicas, como troca de cenários, são mal resolvidas. Faltou criatividade e bom senso a produção do espetáculo. É claro que todas essas falhas podem (e devem) ser corrigidas ao longo da temporada. Por isso Jorge Fernando disse que daqui a um ano a peça vai estar perfeita. O roteiro e os diálogos podem contar a história com mais clareza. E os problemas cênicos podem ser resolvidos com criatividade e talento.

VAMP é um espetáculo cheio de qualidades. Dá a impressão que foi feito originalmente para o teatro, devido exatamente as possibilidades cênicas que o texto apresenta. É um excelente espetáculo para toda a família, com muito humor, irreverência e boa música. Desde as músicas originais da novela, como "Noite Preta", de Vange Leonel, "Sympathy for the devil" dos Rolling Stones e "Thriller", de Michael Jackson, até as músicas feitas originalmente para o espetáculo, todas funcionam muito bem. São excelentes os números musicais com banda ao vivo. E os bailarinos também dão um show à parte, executando com competência as criativas coreografias.  

No que diz respeito à parte musical, vale registrar o modo inteligente e bem sucedido como o espetáculo utiliza a música "Noite Preta", que foi o marcante tema de abertura da novela. A música é apresentada várias vezes, com arranjos diferentes e originais. Além disso há uma linda interpretação de Claudia Ohana. A forma como a música é utilizada serve como uma grande homenagem a saudosa cantora, compositora e líder feminista Vange Leonel, autora e intérprete da canção. Homenagem mais do que merecida, já que a canção coube perfeitamente na novela, assim como agora cabe com perfeição ao musical.

O elenco é uniforme e todos atuam para que Ney Latorraca e Claudia Ohana possam brilhar. Ney é puro carisma e presença de palco. Sua entrada na primeira cena já conquista e provoca o público. Durante um número de plateia ele arranca gargalhadas com sua irreverência e seus improvisos. Quando está descendo do palco, para morder o pescoço de alguém na plateia, ele para no meio da escada, encara o público e diz: "Isso aqui não é um fim de carreira. É um início!". Então é ovacionado pela audiência.

Durante a pré-produção do espetáculo outras atrizes chegaram a ser cogitadas para o papel de Natasha. Os produtores acreditavam que Natasha deveria ser interpretada por uma atriz jovem. Mas os fãs da novela bombardearam a produção com mensagens de protesto, alegando que nenhuma outra atriz poderia fazer o papel de Natasha. E os fãs estavam cobertos de razão. Vinte e cinco anos depois da novela, Claudia Ohana volta deslumbrante ao mais importante papel de sua carreira. Ela dá sangue novo a cantora que vende sua alma ao vampiro Vlad em troca do sucesso na música pop. La Ohana está estupenda como a personagem criada por Antônio Calmon, inspirado em Madonna. Foi ouvindo o álbum "The imaculate colletion" que Calmon deu vida a Natasha, personagem que fez história na TV e que agora, como toda boa vampira, se mostra eterna, renascendo com vigor, vinte e cinco anos depois, no palco de um musical.  


14.3.17





O PRAZER DA LEITURA - A escritora brasileira Vitória Moreira diverte e encanta seus leitores com o livro O herdeiro da Máfia. Uma trama novelesca e cheia de reviravoltas, ambientada nos cenários exóticos frequentados pelos ricos do jet set internacional. É como se a autora estivesse brincando de ser o saudoso Sidney Sheldon. Seu romance tem o sabor envolvente dos melhores livros do autor de O outro lado da meia noite. Conta a história da rica família Capplly e de como seu herdeiro, o menino mimado Brady, se transforma num homem perigoso, ao acreditar que a riqueza o coloca acima do bem e do mal. Paixões sem controle e ambições desenfreadas dão o tom da trajetória de Brady, que acaba se apaixonando pela psicóloga contratada por seus pais para cuidar de seus distúrbios psíquicos. Cenários luxuosos, figurinos elegantes e paisagens paradisíacas dão vigor aos personagens densos e atormentados do novelão bem estruturado criado por Vitória Moreira.   

21.2.17





















CARNAVAL NO ARPOADOR - Para agitar ainda mais o Carnaval carioca o fotógrafo Odir Almeida preparou uma série de fotos no estilo "Bal Masqué" no seu cenário favorito: o mar do Arpoador. Odir frequenta o Arpoador desde sempre, foi praticamente criado ali e tem especial carinho por cada pedaço daquele lugar: cada onda, cada pedra, cada grão de areia. É um artista da fotografia e cada um dos seus cliques é único, é pessoal, é diferente. Suas fotos sempre causam impacto, já que ele vê o mundo através de um ângulo inevitavelmente único e imprevisível.

16.2.17




Dentre os mais dignos predicados de um homem está o de saber dizer a verdade.



CALÚNIA E DIFAMAÇÃO - Quase sempre quando um jornalista é acusado de ter praticado calúnia e difamação é porque ele falou alguma verdade sobre alguém. A verdade dói. Incomoda. Faz  com que as pessoas se sintam nuas. Daí elas entram em pânico e apelam para o duvidoso critério de calúnia e difamação. O bom dessa questão é que a verdade sempre aparece.  Como já disse o filósofo Francis Bacon "a verdade é filha do tempo, não da autoridade".

O jornalista Paulo Francis é um exemplo perfeito para falar desse tema. Em 1997, auge do governo Fernando Henrique Cardoso,  ele declarou no seu programa Manhattan Connection que havia muita corrupção na Petrobrás. E que os dirigentes da Petrobrás desviavam dinheiro da empresa para caixa dois de grupos políticos e contas secretas na Suiça. O então presidente da empresa, Joel Rennó, processou Paulo Francis alegando calúnia e difamação. Criou o maior caso. E usou dinheiro da Petrobrás para acionar judicialmente o jornalista em Nova York, com a intenção de acabar com ele. O tempo passou, Paulo Francis morreu e ficou por isso mesmo.

Anos depois, durante o governo Lula, estourou o escândalo do Petrolão. Surgiram provas e evidências incontestáveis que havia corrupção na Petrobrás. E que o dinheiro da empresa estava sendo desviado para caixa dois e contas de diretores, na Suiça. Ou seja, foi comprovada como verdadeira a denúncia jornalística de Paulo Francis. Inclusive ficou provado que o Joel Rennó, o presidente da Petrobrás que processou Paulo Francis, estava envolvido na corrupção da empresa, ou por negligência ou por conivência.

Ou seja, o autor do processo era apenas um cara de pau com um cargo público conseguido por vias tortuosas, e que estava ali na empresa estatal, não para trabalhar para o país. Se fosse um bom profissional teria averiguado as denúncias do jornalista e feito uma auditoria da empresa. Simples assim. Infelizmente o Brasil está cheio de "aventureiros" exercendo cargos nas estatais. Verdadeiros gigolôs do dinheiro público, que fazem qualquer negócio para arrumar uma boquinha numa estatal. Basta ler o noticiário que diariamente aparece algum.

O mais incrível nesse caso é que quando Paulo Francis fez a denúncia, o Fernando Henrique Cardoso fez ouvidos moucos e sequer mandou fazer uma auditoria na empresa para saber se as denúncias eram verdadeiras. FHC poderia ter estancado a sangria na Petrobrás muito antes. Mas, no melhor estilo Pôncio Pilatos, ele lavou as mãos e permitiu que, durante anos e anos, a estatal brasileira fosse saqueada de forma impiedosa. Será que alguém ainda tem coragem de afirmar que FHC foi um grande estadista? 

No dia 5 de Fevereiro passado foi aniversário da morte de Paulo Francis. Onde esteja, ele deve estar dando gargalhadas por ver que o seu faro jornalístico venceu a mediocridade da política brasileira. Que Deus o tenha.

Ri melhor, quem ri por último!

31.1.17












O CANTOR QUE SE JOGOU DA JANELA - Mike Brant foi um dos cantores franceses mais populares do seu tempo. No início da década de 1970 suas canções românticas e seu estilo de galã francês conquistaram o mundo. Sua música "Qui será" foi sucesso no mundo inteiro. (No Brasil, além da canção original, fez sucesso uma versão em português gravada por Altemar Dutra). Além da sua música, Mike Brant também fazia sucesso por sua beleza. Vivia sendo assediado pelas fãs, Mas, por trás do sucesso e da fama, existia uma alma atormentada. Teve uma infância traumática, já que nasceu em 1947, dois anos depois do final da Segunda Guerra. Seus pais eram judeus e sofreram nos campos de concentração. O pequeno Mike só conseguiu falar quando tinha cinco anos. Começou a cantar quando adolescente, até que foi descoberto pela cantora francesa Sylvie Vartan. Gravou seu primeiro disco em 1969 e, a partir daí construiu uma carreira de sucesso e popularidade. Parecia ser uma pessoa feliz, mas em novembro de 1974 ele se atirou da janela do quinto andar de um hotel de luxo em Genebra. Foi levado para um hospital, sofreu diversas fraturas, mas acabou se recuperando. Chegou a gravar um novo disco. No dia em que o disco foi lançado, seis meses depois da primeira tentativa, ele se jogou da janela do seu próprio apartamento em Paris. Tinha apenas 28 anos. 

Sua vida daria um filme.





17.1.17
















CALL ME BY YOUR NAME - Um dos filmes mais aguardados do Sundance Film Festival, que começa na próxima quinta-feira, dia 19 de janeiro, é a adaptação para o cinema do celebrado romance de André Aciman "Call me by your name". É uma bela e comovente história de amor entre dois rapazes. A trama é a seguinte: Elio Perlman é um garoto ítalo-americano de 17 anos, que vive na Itália, numa fantástica vila do século XVII, acompanhado de seu pai, um eminente professor de cultura greco-romana. Um dia aparece em sua casa Oliver, um sujeito bonitão, de 42 anos, que veio fazer um estágio com o pai de Elio, para desenvolver sua tese de doutorado. Em meio ao cenário paradisíaco do norte da Itália, os dois vivem uma intensa história de amor. O livro de Andre Aciman, que deu origem ao filme, causou boa impressão entre os leitores e recebeu boas críticas por ocasião do seu lançamento, em 2007. O filme tem recebido críticas positivas e já foi citado pela revista Variety como uma das apostas para 2017.

O produtor do filme é o brasileiro Rodrigo Teixeira, da RT Features, em parceria com o roteirista James Ivory, o diretor Luca Guadagnino, e também Emille Georges e Peter Spears. Vale lembrar que James Ivory é o famoso diretor de filmes como "Os vestígios do dia", "Maurice" e "Retorno a Howards End". O diretor Luca Guadagnino dirigiu "A piscina",  com Tilda Swinton e um documentário sobre Bernardo Bertolucci, entre outras produções. O site do Sundance Festival diz que "Call me by your name" tem luminosas interpretações dos atores Armie Hammer (o marido bonitão de Amy Adams no filme "Animais Noturnos", de Tom Ford), Michael Stuhlbarg (o agente Halpern do filme "A chegada") e Thimotée Chalamet.

O Sundance Film Festival vai acontecer de 19 a 29 de janeiro e terá a atriz Sonia Braga como jurada, ao lado de Gael Garcia Bernal, Peter Dinklage, Patton Oswalt, David Lovery, Larry Wilmore e Nicole Perlman.



18.12.16



A FEMINISTA MÁ - Uma das mulheres mais inteligentes do planeta, Madonna fez um discurso arrasador ao receber o prêmio de "Mulher do Ano", da revista Billboard. Com sua postura de mulher independente, guerreira e trabalhadora, a cantora se colocou à margem do discurso feminista politicamente correto e exibiu o seu próprio jeito feminista de ser.